ABEMI quer liderar a evolução do setor em inovação e tecnologia

ABEMI quer liderar a evolução do setor em inovação e tecnologia

A partir de 2021, o GT de Inovação e Tecnologia terá dois focos principais, com coordenações distintas visando acelerar os resultados. Um deles está sendo chamado de Movimento Brasil Construção 4.0, uma iniciativa ambiciosa e desafiadora que tem o objetivo de liderar a transformação digital do setor de serviços de engenharia e construção, colocando o Brasil no time de países que estão na fronteira tecnológica.

Chamado no mercado de indústria 4.0, esse movimento, já avançado em outros setores, está iniciando mundialmente na engenharia e construção, um setor que tradicionalmente evolui mais lentamente. “Não podemos continuar assim. Temos a grande oportunidade de começar junto com os principais países. É fundamental inovar e avançar em tecnologia para ganhar mais competitividade, segurança e qualidade”, destaca Telmo Ghiorzi, responsável pelo Movimento Brasil Construção 4.0 e sucessor de Marcelo Neves na coordenação do GT de Inovação e Tecnologia.

O segundo foco do GT é a implantação do lean construction e a parceria com o CII (Construction Industry Institute). Esses assuntos já vinham sendo tratados pelo GT de Inovação e Tecnologia e agora estão sendo conduzidos de forma independente, porém com total sinergia com o GT, sob a liderança de Alejandro Castaño. A parceria com o CII, referência mundial em inovação e boas práticas na indústria de projetos de capital, busca tornar a ABEMI a protagonista do salto de performance da indústria de engenharia e construção no Brasil.

Evolução natural

Marcelo Neves Ferreira, do Grupo de Trabalho de Inovação e Tecnologia da ABEMI

 

De acordo com Marcelo Neves Ferreira, essa nova estrutura é uma evolução natural do GT e foi definida pelos participantes em workshops que rediscutiram seu direcionamento estratégico. Marcelo informa que o GT de Inovação e Tecnologia foi criado em maio de 2019, para trazer para a indústria da construção o mesmo salto de produtividade obtido pelos demais setores produtivos, através da adoção de tecnologias emergentes e de novos modelos de negócio.

“Com esta visão em mente, o GT atraiu um grande número de associadas, fomentou a colaboração e compartilhamento de conhecimento e serviu de plataforma para a conexão entre a ABEMI e o mundo da inovação, atraindo e disseminando soluções inovadoras para nossas dores”, afirma Marcelo.

Entre as ações realizadas, ele destaca a conexão com o Cubo Itaú, o mais relevante hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico da América Latina, e os memorandos de entendimentos firmados com o Lean Institute e com o CII.

Editora Conteúdo/Abgail Cardoso

Compartilhar notícia: Facebook Twitter Pinterest Google Plus StumbleUpon Reddit RSS Email

Comentários