circulo-amarelo - esq

ABEMI recebe ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira em nome da CCGNMP

ALE_6094 (1)

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, participou da reunião realizada na ABEMI – Associação Brasileira de Engenharia Industrial, com os representantes da Coalizão pela Competitividade do Gás Natural como Matéria-Prima (CCGNMP), para apresentação oficial do estudo realizado pelo Instituto de Energia da PUC-Rio (IEPUC).

O ministro Silveira manifestou, na ocasião, a convergência entre o pensamento do governo federal e as demandas desse setor. “Esse é um embate legítimo e muito importante para o desenvolvimento econômico e para a sustentabilidade”, afirmando ainda que o governo tem desenvolvido ações vigorosas nessa área, através do programa Gás para Empregar, aprovado recentemente em reunião com Conselho Nacional de Política Energética – CNPE, com a participação do Presidente Lula.

“Estamos convergentes, empenhados e dedicados nas ações de governo para que nós possamos juntos construir uma política consistente de reindustrialização do país, de fortalecimento do nosso parque industrial químico, de fertilizantes. Vamos usar o gás como uma fonte energética estratégica e importante para garantir segurança energética e alimentar, reindustrializar o país e gerar emprego e renda para a população”, destacou o ministro.

Segundo o ministro, a garantia de suprimento de gás natural a longo prazo é determinante nas decisões de investimentos em novas plantas industriais de diversos setores intensivos no consumo de gás natural e consequentemente no desenvolvimento econômico e social do país. “É inadmissível que o Brasil reinjete o dobro da média internacional. Se nós tivermos grande oferta de gás, viabilizaremos recursos da iniciativa privada para investimento. Temos que discutir primeiro o que escoar nos gasodutos de transporte e nos gasodutos de distribuição”, disse.

ALE_6077
André Passos, da ABIQUIM, Joaquim Maia, da ABEMI e o ministro Alexandre Silveira

O ministro destacou que veio à ABEMI para dialogar com as entidades que compõem a CCGNMP, que demonstraram tecnicamente e economicamente a importância de aumentar a oferta do gás no Brasil para reindustrializar o país. “Os dados  demonstram que o parque industrial químico encontra-se com uma ociosidade de 30%, e na disponibilidade de gás como matéria-prima, os setores químico e de fertilizantes terão condições de receber investimentos em torno de R$ 70 bilhões de reais, gerando milhares de empregos e renda. Não avançaremos por falta de oferta e de preços competitivos do gás natural. O desafio agora é discutir como explorar o potencial do Brasil de gás onshore e offshore de maneira equilibrada”, explicou

Principais resultados

 

1

O estudo do IEPUC, que avaliou o potencial e as condições de viabilização da oferta de gás natural para uso como matéria nas indústrias química e de fertilizantes no Brasil, já havia sido apresentado à equipe do Ministério de Minas e Energia no início de julho.

Entre os resultados, o estudo verificou que a parcela da produção brasileira de gás natural que chega ao mercado vem caindo nos últimos 10 anos. Hoje 40% da produção é disponibilizada ao setor produtivo. Essa queda é explicada pelo crescimento contínuo dos níveis de reinjeção de gás nos reservatórios, o que ocorre principalmente na região do Pré-Sal, onde o volume reinjetado já ultrapassa 60 milhões de m3/dia.

Uma das principais conclusões do estudo é que, a despeito do que vem sendo colocado na mídia, o Brasil tem gás, podendo triplicar a oferta de gás nacional ao mercado até o final da década. Para isso, o estudo levantou qual seria a estimativa do volume total de gás reinjetado atualmente nos campos do Pré-Sal, que poderia ser escoado através da revisão das decisões sobre a reinjeção e se não houvesse restrições de infraestrutura.

ALE_6256
O evento contou com a presença de representantes e associados das entidades integrantes do CCGNMP

A conclusão é que quase a metade do volume reinjetado atualmente, ou cerca de 30 milhões de m3/dia, poderia vir para o mercado se houvesse capacidade de escoamento. Isso significa que, havendo condições logísticas, o Pré-Sal poderia de imediato duplicar o volume total hoje disponibilizado.

Parte desse volume está previsto para ser escoado pelo Projeto Rota 3 (rota de escoamento e unidade de tratamento em Itaboraí/RJ), que está atrasado há mais de 7 anos, de acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), e previsto para entrar em operação ao final de 2024. Além disso, é importante a readequação da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) de Caraguatatuba e da Rota 1 que conectará esta UPGN ao Pré-Sal.

Presenças
ALE_6278
Joaquim Maia, presidente da ABEMI e Renato Cabral Dias Dutra, diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo da Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Com mais de 60 participantes, o encontro contou a presença de diretores e presidentes de grandes empresas dos setores químico, fertilizantes, indústria de base, indústria de equipamentos, engenharia industrial, além dos representantes da Coalização e jornalistas especializados do setor. Destaque para a participação de Hugo Leal Melo da Silva, Secretário de Estado de Energia e Economia do Mar, SEENEMAR.

CCGNMP

A Coalizão pela Competitividade do Gás Natural como Matéria-Prima é liderada pela ABEMI – Associação Brasileira de Engenharia Industrial, com a Coordenação Técnica da ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química, e tem a participação das entidades: ABDIB – Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base; ABEGÁS – Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado; ABIMAQ/SINDMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos; ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico; CNT – Confederação Nacional do Transporte; FIEB – Federação das Indústrias do Estado da Bahia; FIEMG – Federação das Indústrias de Minas Gerais; FIRJAN – Federação das Indústrias do Rio de Janeiro; TGBC – Transportadora de Gás Brasil Central; ONIP – Organização Nacional da Indústria do Petróleo; SEDE – Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais; SEENEMAR – Secretaria de Estado de Energia e Economia do Mar do Estado do Rio de Janeiro; e SEDETEC – Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico de Sergipe.

Editora Conteúdo

Compartilhe:

Posts Relacionados

ABEMI e ABSOLAR assinam acordo para promover uso de energia solar em projetos de engenharia industrial
IMG-20230901-WA0044
A ABEMI e ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) acabam de assinar um acordo inovador que visa...
Cresce a participação da iniciativa privada no setor de saneamento, revela Panorama Anual da ABCON SINDCON
Blue White Futuristic Simple Photo Artificial Intelligence YouTube Thumbnail (6)
O Comitê de Saneamento da ABEMI realizou em 22 de agosto evento online para apresentação do anuário da...
ABEMI esteve presente no Parque Tecnológico de Sorocaba para visitar área do NECSOR 4.0
IMG-20230814-WA0007
A ABEMI está a caminho da engenharia do futuro! Em parceria com Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS) e...