Com mais de 40 anos de experiência no setor, ABEMI cria diretoria exclusiva de offshore

Com mais de 40 anos de experiência no setor, ABEMI cria diretoria exclusiva de offshore

Em razão da importância do setor de construção offshore, a ABEMI decidiu, nesta gestão atual, consolidar em uma diretoria especifica os mais de 40 anos de experiência na área. Para o presidente Joaquim Maia, “a associação tem participado através de seus associados de todas as fases do desenvolvimento da produção de O&G no Brasil. Uma história que começou desde as primeiras jaquetas em águas rasas no Nordeste, passando pelo desenvolvimento da bacia de Campos em águas médias e profundas e atualmente do pré-sal.

Nomeado como diretor de offshore da ABEMI, Luiz Felipe Camargo, fala com exclusividade sobre o setor e suas oportunidades e desafios.  “A ABEMI, desde sua origem, é uma associação voltada para a representatividade do setor de engenharia e construções para diversos tipos de mercados.  Mas, o setor de construções offshore, que engloba o desenvolvimento e fabricação de plataformas de produção de petróleo e gás ainda não havia sido contemplado no âmbito das atividades da ABEMI”, destaca o diretor.

Com a demanda local por novas unidades, continua Camargo, “há a necessidade de apoiarmos a indústria local a participar da demanda existente, trabalhando pontos importantes como a criação de uma política industrial voltada para ao setor com o intuito de melhoria de competitividade, produtividade, automação e qualificação de mão de obra, uma vez que o Brasil possui empresas competentes, com histórico de sucesso, e aptas a participar desse mercado.  Nossa intenção é somar esforços e trabalhar em parceria com as demais instituições especializadas do setor, como SINAVAL, ABIMAQ, IBP, ABESPETRO e entre outras”.

Hoje o Brasil possui papel fundamental no desenvolvimento da produção de petróleo e gás mundiais, impulsionado pelas descobertas do pré-sal e sua viabilidade econômica. Um dos objetivos da criação desta nova diretoria, além dos já citados, refere-se à necessidade de uma preparação para a transição enérgica, que já está em andamento, trazendo valor para os ativos industriais instalados no Brasil diante da eminente substituição de fontes de energia fosseis, para energias renováveis mirando a redução das emissões de carbono.

Assim, a função da diretoria offshore é reunir-se com os players do mercado, identificar as dificuldades e oportunidades de melhoria e, a partir daí, será criado um plano de trabalho a ser conduzido pela ABEMI em parceria com as demais instituições do setor. “Convidamos todos os players a fazerem parte dessa jornada”, anuncia Camargo.

Editora Conteúdo

Compartilhar notícia: Facebook Twitter Pinterest Google Plus StumbleUpon Reddit RSS Email

Comentários