O Brasil precisa de investimentos urgentes em infraestrutura nos próximos anos

circulo-amarelo - esq

Falar de investimentos em infraestrutura é dizer de uma das maiores prioridades do Brasil, tanto em termos econômicos como de qualidade de vida e saúde pública.

Porém, os gargalos financeiros são limitantes quando se trata de infraestrutura, provocando gargalos no desenvolvimento brasileiro. Entretanto, não se pode ignorar o desafio de aumentar a participação de fontes privadas de recursos e isto é uma questão crítica do setor.

É fato que a infraestrutura possibilita a atração de investimentos, geração de empregos, crescimento econômico e, também o aumento na competitividade do país frente a mercados internacionais. Entretanto, no que diz respeito ao financiamento dos projetos, permanece o desafio de aumentar a participação de fontes privadas de recursos. A falta de alternativas privadas adequadas ao financiamento é uma das questões mais críticas para a expansão do setor.

O governo tem feito esforços para aumentar a participação do setor privado. Tanto que promulgou a Lei 12.431/11 que concede benefícios tributários para aplicações financeiras em títulos emitidos para financiar investimentos em infraestrutura.

Públicos ou privados, estes financiamentos devem ser a alavanca do desenvolvimento do país, num mundo marcado, recentemente, por mudanças econômicas em razão da pandemia e pela na Ucrânia. Tudo isso exige resposta rápidas, com risco de mais uma vez o Brasil ficar aquém no desenvolvimento mundial. A palavra de ordem, sem dúvida, é investimentos já.

Para tanto, o caminho é claro: é urgente reformular a regulação das áreas de infraestrutura, tornando-a mais atraente para investidores privados, nos moldes do que foi feito com o saneamento básico.

Reativar a economia

A boa notícia é que o Brasil está se preparando para esse necessário choque de investimentos em infraestrutura. O presidente recém-eleito, Luiz Inácio Lula da Silva já sinalizou em seus discursos a importância do setor e tem como objetivo de lançar um grande programa de infraestrutura para reativar a economia do Brasil.

Assim, para viabilizar o setor, um dos pontos importantes é reforçar e ampliar o papel de fomento do BNDES nos investimentos de longo prazo, com taxas de juros compatíveis com os retornos dos projetos. Outro ponto é a implantação de projetos de proteção ambiental que contribuirá para a captação de recursos externos e para o acesso ao mercado de carbono. E ainda aprovar o PL 2646/20, que trata das debêntures de infraestrutura, para captar investidores institucionais, fundamentais nos projetos de longo prazo.

Certamente uma agenda futura consistente para o setor exigirá um trabalho conjunto do setor público com a iniciativa privada. E a ABEMI (Associação Brasileira de Engenharia Industrial) é protagonista nesta cruzada.

IMG_6740 (*) Joaquim Maia, presidente da ABEMI; consultor da Toyo Setal e diretor executivo da JMA Assessoria Marketing e Representações

 

 

Compartilhe:

Posts Relacionados

ABEMI participa das comemorações dos 10 anos do Parque Tecnológico de Sorocaba
IMG-20221107-WA0016-720x540
A ABEMI, representada por seu diretor executivo, Matias Fernandez e pelo diretor do Instituto ProEC 4.0, Mauricio Godoy,...
ABEMI promove debate sobre a engenharia digital no Brasil com especialistas na área
IMG-20221027-WA0007
A diretoria de engenharia da ABEMI realizou mais uma mesa redonda. Desta vez, o tema foi Engenharia digital:...
Desenvolvimento sustentável e práticas ESG foram destaque da palestra de CEO do Pacto Global
IMG-20221019-WA0034
Em palestra realizada na ABEMI, Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU no Brasil, falou sobre os...